o blog
O Futebol e Fritas é uma criação de estudantes de Comunicação Social da UFPR, mesclando diversão com crônicas sobre futebol.

a equipe
Alex Gruba
jornalista, 26 anos

Bruno Rolim - pessoal
turismo, 4º ano, 24 anos

Eduardo Amatuzzi
jornalismo, 7º ano, 27 anos

Eduardo Bresciani
jornalista, 23 anos

Fabiano Klostermann
jornalista, 26 anos

Jackson Sardá - pessoal
jornalista, 28 anos

Leonardo Bonassoli - pessoal
jornalista, 23 anos

Lucas Gandin - pessoal
jornalista, 24 anos

Roger Pereira
jornalista, 23 anos

Túlio Bragança - pessoal
relações públicas, formado, 26 anos


blogs indicados
Bolão FutFritas
De Curitiba para o Mundo
Portão 8 (Grêmio)
Portão 8 (Internacional)
Inter Sempre
Diabos Vermelhos
Grêmio Sempre
Alma Vermelha
Amor Colorado
Arena do Futebol
Planeta Futebol
Falando de Futebol
Anestesia Geral
Bola na Trave
Blog na Rede
Nove Meses
Bíblia do Futebol
De Primeira
Chutômetro

links para clubes
Furacao.com
e-Atlético
Atlético-PR
(site oficial)
Coxanautas
Coritiba
(site oficial)
Paranautas
Paraná Clube
(site oficial)

hospedagem
Blogger
Arquivos



bolão futfritas - geral


segundo turno


regulamento
Acerto no placar, exato: 5 pontos
Acerto na diferença de gols: 3 pontos
Acerto no time vencedor: 2 pontos
Em casos de empates, todo empate não exato valerá 2 pontos.

Critérios de desempate: 1. Acertos de 5 pontos; 2. Acertos de 3 pontos; 3. Acertos de 2 pontos; 4. Desempenho na rodada imediatamente anterior, e em caso de igualdade, na rodada anterior a esta.
Segunda-feira, Março 22, 2010

Sobre times e aviões

É comum dizer na aviação que quando um avião cai é porque ocorreram vários erros em conjunção, que podem incluir falhas mecânicas, falhas humanas e o acaso, entre outros. No futebol, não é muito diferente dizer que isto também acontece com os times que caem. Vários erros juntos causaram o rebaixamento de quatro times neste Campeonato Paranaense, que chegou ao fim da primeira fase. Como eu acompanhei o campeonato e vi quase todos, se não todos os times jogarem, posso ter a pretensão de tal análise. Então vamos àqueles não estarão na Primeira Divisão Paranaense de 2011.

14º - Engenheiro Beltrão -

O fato de não ter podido mandar boa parte de seus jogos no João Cavalcante de Menezes fez diferença para o Engenheiro Beltrão, que usou muito bem o fator casa (um campo com dimensões mínimas numa cidade quente) nos últimos anos. Além disso, a Aereb mostrou pouco consistência defensiva especialmente no começo do campeonato, perdendo muitos pontos com falhas defensivas. Além disso, a passagem relâmpago de Claudio Roberto pode ter ajudado a desestabilizar a equipe, que fechou a participação no campeonato com um vergonhoso WO, fruto também das brigas entre o presidente do clube, Luiz Linhares, presidente da FUTPAR, que representa os clubes de futebol do estado, com a Federação.


13º - Nacional -

Uma semana antes do campeonato, o Nacional de Rolândia demitiu Claudemir Peixoto (atualmente na Inter de Limeira) e contratou Celso Fernandes, que veio junto com uma parceria carioca que trouxe uma penca de jogadores. Menos de um mês depois, após maus resultados, Nascimento foi demitido e assumiu Carlos Alberto de Almeida. O técnico durou uma semana e saiu após exigir dispensa de jogadores e contratação de reforços. A parceria foi desfeira e Claudemir Sturion assumiu o time e alguns reforços chegaram. Talvez tarde demais. O Nacional havia entregado seu futebol a um grupo que não deu certo e depois não teve tempo de recuperar. Além disso, entre os "jogadores do Rio", muitos não tinham ritmo de jogo e o time sentiu isso perdendo preciosos pontos no final das partidas. Erro estratégico que levou a vários erros e à vice-lanterna, marcando o rebaixamento dois anos depois de subir.


12º - Serrano -

O Serrano de Prudentópolis estreou na Elite. No início, mostrou muita inconsistência defensiva. Talvez não tenha caído de imediato a ficha de que o time estava na primeira divisão após dois acessos consecutivos depois da fundação do clube. A diretoria talvez tenha demorado demais para mudar o comando. No que pese também o baixo aproveitamento do ataque especialmente na reta inicial, o que fez muita falta depois. Os problemas ofensivos persistiram, vide o jogo contra o Paraná, em que o Serrano DOMINOU o Tricolor no segundo tempo, mas parou numa atuação brilhante do goleiro Juninho, futuro cidadão honorário de Paranaguá (RISOS).


11º - Toledo -

Quem iria imaginar que aquele Toledo que empatou com o Atlético na estreia e teve um dos artilheiros da Primeira Fase, Leandro Bocão, estaria entre os rebaixados? Pouca gente sabe que o time enfrenta dificuldades financeiras ao ponto do presidente Irno Picinini ter revelado antes do certame que tentou, sem sucesso, vendê-lo e que ele ainda está à venda. Somado a isto, temos um time que caiu por empatar demais. Empatou seis vezes (BIZARRICE EXTREMA: TODOS OS EMPATES FORAM POR 1 A 1), sendo rei do empate e caindo por ter uma vitória a menos que o Rio Branco. Estranhamente foi rebaixado com saldo de gol positivo, enquanto que Corinthians e Paranavaí se classificaram com negativo. No que pese os distúrbios no estádio que redundaram com a demissão de Agenor Picinin em solidariedade ao zagueiro Glauco, vítima de ofensas racistas de um torcedor do próprio time, como outro fator de instabilidade.
comentários por LEONARDO BONASSOLI @00:50 > Opiniões: